Todos os artigos de revistapontesdevista

MANHUFE

Isabel Rebello de Andrade

Finalmente, o ritmo da minha pulsação abranda. O trepidar da terra batida faz oscilar o meu olhar por entre as árvores mais ou menos densas que desenham manchas de verdes vivos. Consigo ver o vale que a partir daqui se precipita e os dorsos das montanhas a ondular ao fundo. Perco-me na imensidão da paisagem de terra e céu fundidos. Volto a concentrar-me na estrada, guiada por muros de granito por entre os quais espreitam as videiras carregadas de uvas negras. Continuo a subir e o coração aperta. Estou a chegar a casa. Continue reading MANHUFE

Anúncios

ISABEL REBELLO DE ANDRADE

ISABEL REBELLO DE ANDRADE completou em 2011 o mestrado em Arquitectura pela Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto. Em 2015, publicou «A Casa Sonhada – Memórias sobrepostas: um pintor e uma arquitecta», livro traduzido para Inglês e Francês que se baseia na sua dissertação de mestrado e aprofunda os conceitos de “lugar, memória e corpo”, tendo como ponto de partida a experiência pessoal de uma casa em que viveu também o pintor Amadeo de Souza-Cardoso. Desde então, Isabel Rebello de Andrade tem vindo a colaborar com várias iniciativas relacionadas com Amadeo de Souza-Cardoso.

ISABEL SARAIVA

ISABEL SARAIVA é natural do Porto, licenciou-se em Artes Plásticas na Escola Superior de Belas Artes do Porto. Desde então, tem exposto individual e coletivamente em Portugal, assim como em várias salas no estrangeiro, nomeadamente em Nova Iorque, Barcelona, Seul, México, Paris, Coulliure, Cuenca, Toulouse, Bruxelas, Palermo, S. Paulo, Suffolk e Corunha. Realizou 29 exposições individuais em Portugal e 4 no estrangeiro. Participou em 27 exposições coletivas no estrangeiro e em 61 exposições coletivas nacionais. A ultima exposição individual no estrangeiro realizou-se na UNESCO-Paris em 2017, a última individual nacional foi na Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Direito 2018. Autora de obras em serigrafia, literárias, edição de postais, de design e premiada em alguns certames de Artes Plásticas no estrangeiro.

MARTA SOARES

MARTA SOARES (IHA / FCSH / NOVA) é licenciada em Estudos Portugueses e Lusófonos pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e mestre em História da Arte pela mesma instituição com uma dissertação sobre Amadeo de Souza-Cardoso. Desde 2014, tem vindo a colaborar com instituições, como a Fundação Millennium bcp, a Fundação Calouste Gulbenkian e o Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía. Foi curadora, com Raquel Henriques da Silva, da exposição “Amadeo de Souza‑Cardoso / Porto Lisboa / 2016 – 1916” patente no Museu Nacional de Soares dos Reis e no Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado. É investigadora do IHA (Instituto de História da Arte da FCSH / NOVA de Lisboa) e prepara uma tese de doutoramento sobre animação e animismo no modernismo.

MARIA DO MAR FAZENDA

MARIA DO MAR FAZENDA (Lisboa, 1977) é curadora independente e investigadora no CASt-IHA / FCSH-NOVA. Em 2002 completa o BA (Hons.) Fine Art na Slade School of Fine Arts, University College of London. Em 2005 realiza a Pós-gradução em Estudos Curatoriais pela Faculdade de Belas Artes de Lisboa / Fundação Calouste Gulbenkian. Actualmente, frequenta o Doutoramento em Estudos Artísticos – Arte e Mediações na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas / Universidade NOVA de Lisboa.

LUDDOVICA DADDI

LUDDOVICA DADDI (Florença, 1990) é uma estudante italiana da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP), residente em Portugal desde 2012. Movida por um grande interesse pela literatura e cultura portuguesas, desenvolve investigação independente sobre diferentes temas, entre os quais: a poesia de Rui Pires Cabral, o universo intertextual e narrativo de Afonso Cruz e o teatro português do séc. XVIII.

JOSÉ CARLOS PEREIRA

JOSÉ CARLOS PEREIRA é licenciado em Filosofia, e doutorado em Estética pela Universidade de Lisboa. É Professor auxiliar na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, e diretor da Revista Arteoria, pertencente à Secção Francisco de Holanda do CIEBA. Publicou, entre outros títulos, «As Doutrinas Estéticas em Portugal: do Romantismo à Presença» (Hespéria, 2011), e «O Valor da Arte» (Fundação Francisco Manuel dos Santos, 2016). Como investigador, pertence ao CIEBA (Centro de Investigação e Estudos em Belas-Artes da Universidade de Lisboa), ao CEFI (Centro de Estudos em Filosofia da Universidade Católica Portuguesa) e ao Instituto de Filosofia Luso-Brasileira. É também investigador estrangeiro associado do Projeto Integrado de Pesquisas sobre Processos de Criação, Heranças, Apropriações e Sincretismos em Artes Visuais, do Centro de Artes da Universidade do Estado de Santa Catarina (Brasil).

JOÃO FARIA FERREIRA

JOÃO FARIA FERREIRA está a concluir a licenciatura em Estudos Artísticos, com Menor em História da Arte, na Universidade de Coimbra (UC), o que acumula com a ocupação de genealogista profissional. Tem investigado sobre a Imprensa em Coimbra no século XVIII, a obra de Amadeo de Souza-Cardoso e cinema de terror. Foi co-realizador da curta-metragem “Mesa” (2008) e realizador de “Chá e Biscoitos” (2012).

ISABEL CARVALHO

ISABEL CARVALHO (Porto, 1977) é artista plástica, editora e investigadora. Nos últimos anos, o seu trabalho artístico tem-se desenvolvido em torno das artes visuais, da escrita e da edição, caracterizando-se por uma forte componente de investigação – cruzando abordagens científicas e especulativas como metodologia. Participou em projetos expositivos e editoriais de referência internacional. A par do trabalho artístico dedica-se ao ensino de disciplinas de Desenho e Ilustração.

HELENA DE FREITAS

HELENA DE FREITAS é Historiadora de Arte e Crítica de Arte, autora de livros e ensaios sobre artistas portugueses do século XX, de Cursos de Arte Contemporânea Portuguesa e tem colaborado regularmente em revistas da especialidade. Curadora da Fundação Calouste Gulbenkian desde 1987, onde, a partir de 2001, coordenou o trabalho de investigação para o Catálogo Raisonnée de Amadeo de Souza-Cardoso. Directora do Museu da Pintora Paula Rego em Portugal, Casa das Histórias Paula Rego, Cascais, entre 2010 e 2013. Vive e trabalha em Paris, em destacamento na Delegação em Paris da Fundação Calouste Gulbenkian, onde é curadora desde 2016.

FILOMENA VASCONCELOS

FILOMENA VASCONCELOS é Professora Associada da Faculdade de Letras U. Porto, nas áreas de Teoria e Crítica Literárias e Literatura Inglesa.  É editora da revista digital sobre literatura infantil e-f@bulations (FLUP, Porto, 2007 – ), sendo igualmente colaboradora regular da Routledge – Francis &Taylor (UK, USA) no periódico The European Legacy. Entre outras publicações do foro crítico-literário, tanto nacionais como internacionais (Routledge e Cambridge Scholars), refiram-se os livros de ensaios Imagens de Coerência Precária (Porto, 2004) e Considerações Incertas (Porto 2008). Na tradução, e no âmbito do Projecto  FCT Shakespeare para o século XXI, salientam-se as peças Ricardo II (Porto, 2002), O Conto de Inverno (Porto, 2006) e Romeu e Julieta (Lisboa, 2013). A pintura é um gosto antigo que a acompanha desde sempre, como uma vida paralela, e com as intermitências de uma prática autodidata que nunca se quis sobrepor às exigências do trabalho académico.

Editorial

Maria Luísa Malato

Este número da PONTES DE VISTA é dedicado a AMADEO e a todos os insolentes. Deve ser efetivamente “insolência” o pecado maior dessa gente que não segue os caminhos habituais. Que mais se lhe há de chamar? “Há gente que chama ao meu estado uma pretensão para sair fora do vulgar – […]  Eu sei o que agrada em geral – eu na generalidade desagrado”: isto constata Amadeo. Continue reading Editorial

MÁRIO CLÁUDIO

Carlos Magno
Maria Celeste Natário

Transcrição da entrevista ocorrida a 13 de abril de 2018.

 

C. Magno: É  possível ler o «Amadeo» do Mário Cláudio sem conhecer nenhuma obra de Amadeo?

Mário Cláudio: Não, acho que não, sinceramente. É possível escrever, e isso eu fi-lo, sem simpatizar com o homem Amadeo. Tive sempre uma certa antipatia por aquela figura.

C. Magno: Sim, isso nota-se. Continue reading MÁRIO CLÁUDIO