Arquivo da categoria: – Nº2 –

LITERATURA E FILOSOFIA: UM ROMANCE DE MILAN KUNDERA CRUZADO COM ALGUMAS REFLEXÕES DE VERGÍLIO FERREIRA

Alexandre Costa

 

 

Os romances que escrevi foram, de alguma maneira, espelhos de outra coisa que passava por eles.

(Vergílio Ferreira, Entrevista à Revista Ler, Primavera de 1988)

 

Uma parte considerável das narrativas de Milan Kundera parece existir em função das longas digressões sobre questões de índole filosófica ou hermenêutica, em que se cruzam citações próprias e alheias, pela voz de um narrador omnisciente (ainda que, por vezes, homodiegético), que opina constantemente sobre os discursos a que alude. Continue a ler LITERATURA E FILOSOFIA: UM ROMANCE DE MILAN KUNDERA CRUZADO COM ALGUMAS REFLEXÕES DE VERGÍLIO FERREIRA

Anúncios

LITERATURA, FILOSOFIA E SILÊNCIO: PREÂMBULO A UMA LEITURA DE VERGÍLIO FERREIRA COM UMA FOTO DE WERNER BISCHOF

Maria Luísa Malato

“A caminho de Cuzco”, foto de Werner Bischof (Andes, perto de Pisac, Vale Sagrado do rio Urubamba, 16 de Maio de 1954)
  • 1. “[…] o que me excita a escrever é o desejo de me esclarecer na posse disto que conto, o desejo de perseguir o alarme que me violentou e ver-me através dele e vê-lo de novo em mim, revelá-lo na própria posse, que é recuperá-lo pela evidência da arte. Escrevo para ser, escrevo para segurar nas minhas mãos inábeis o que fulgurou e morreu” (Ferreira, 1971a: 209-210). Assim escreve Vergílio Ferreira na Aparição. Os estudantes da minha geração que pela primeira vez liam Vergílio Ferreira tinham quinze, dezasseis anos. Vergílio Ferreira era um “autor difícil” porque falava das coisas caladas, as que não lembram ao diabo. Hoje, entre viver a vida, pensá-la e dar-lhe forma, há um silêncio técnico: não cuidamos da arte, nada sabemos da arte de exprimir o que nos vai na alma. Um jovem de quinze, dezasseis anos já não lê por norma Vergílio Ferreira na escola, nem Camus, nem Brandão, nem Altino Tojal, nem Régio, nem Redol… Um adolescente de quinze anos é especialista em solidão. Mas ficou agora sem as palavras que lhe permitem falar dessa solidão. Que lhe permitam transformá-la (quiçá?) em algo admirável pelo próprio: um romance para o português Vergílio Ferreira, uma foto para o suíço Werner Bischof, uma música para um rapaz andino.

Continue a ler LITERATURA, FILOSOFIA E SILÊNCIO: PREÂMBULO A UMA LEITURA DE VERGÍLIO FERREIRA COM UMA FOTO DE WERNER BISCHOF

SOB A BARBÁRIE, UMA PEQUENA LUZ: A AMBIGUIDADE DO VISÍVEL NO ÚLTIMO ROMANCE DE VERGÍLIO FERREIRA

Jorge Teixeira da Cunha

O último romance de Vergílio Ferreira Na tua face (1993) é, do início ao fim, uma variação sobre o horror do visível. Quem se abeira da obra para a fruir como uma estética teológica não pode perder de vista este ambiente que se pode classificar entre o irónico e o decadente. A alusão à experiência religiosa está presente a cada página, mas trata-se de uma mística de inquietação e de desencanto em que somente a porta da Natureza, que sempre escreve com maiúscula, pode dar entrada numa muito desconfiada “eudaimonia”. Continue a ler SOB A BARBÁRIE, UMA PEQUENA LUZ: A AMBIGUIDADE DO VISÍVEL NO ÚLTIMO ROMANCE DE VERGÍLIO FERREIRA

GERMANO SILVA

Luís Miguel Duarte[1]

Faculdade de Letras da Universidade do Porto

 

Não me senti capaz de, sozinho, fazer o seu elogio. Tive que pedir ajuda. Não precisava de historiadores, de académicos (para isso estou cá eu e em princípio sou suficiente); queria outro jornalista. Chamei um amigo comum, um infinito amigo, o Manuel António Pina, para escrever este texto comigo. E ele aceitou, aceita sempre. Continue a ler GERMANO SILVA

VERGÍLIO FERREIRA – A ALEGRIA DE EXISTIR: BREVE, DENSA, VALIDADA

José Gama

A leitura de Alegria breve constitui um momento ímpar de reflexão e de interrogação sobre a existência humana, guiado pela mão hábil e invasiva de Vergílio Ferreira, naquele modo solene e insatisfeito que ele consegue imprimir à sua escrita como ninguém. A releitura adquire ainda uma dimensão mais forte, se for guiada, logo à partida, por aquele sentido de reavaliação de tudo o que acompanha a despedida da vida de toda uma aldeia, em que a grandeza e a incapacidade do homem parecem atingir os seus limites… Continue a ler VERGÍLIO FERREIRA – A ALEGRIA DE EXISTIR: BREVE, DENSA, VALIDADA

RECENSÃO A FREDERICO LOURENÇO (2016), “BÍBLIA – VOL. I, NOVO TESTAMENTO: OS QUATRO EVANGELHOS”, LISBOA, QUETZAL

Ana Catarina Milhazes

Há pouco mais de um ano, lia um pequeno livro de Frederico Lourenço que tem este bonito e significativo título: O Livro Aberto. Aberto naquele sentido de Umberto Eco, admitindo a infinitude de leituras. Não lhe chamou “livro aberto” ou “um livro aberto” mas “O livro aberto”. O porque a Bíblia, que aí comentava Frederico Lourenço, se não é o livro mais aberto da História (mais vezes lido e referido, mais estendido e extensível), é pelo menos o livro mais paradigmático da leitura interminável. Continue a ler RECENSÃO A FREDERICO LOURENÇO (2016), “BÍBLIA – VOL. I, NOVO TESTAMENTO: OS QUATRO EVANGELHOS”, LISBOA, QUETZAL

RECENSÃO A JULIO CORTÁZAR (2016), “AULAS DE LITERATURA – BERKELEY, 1980”, LISBOA, CAVALO DE FERRO

Ana Catarina Milhazes

À obra de Julio Cortázar já anteriormente publicada pela Cavalo de Ferro, juntou-se mais um título, Aulas de Literatura – Berkeley, 1980, que nos dá as oito aulas que o autor proferiu na Universidade da Califórnia, quatro anos antes da sua morte. Entre Outubro e Novembro, às quintas-feiras, cerca de uma centena de alunos do Departamento de Estudos Hispânicos e Portugueses assistiram às aulas de duas horas do escritor argentino. Para além destas, o livro inclui ainda, em apêndice, duas conferências públicas. Continue a ler RECENSÃO A JULIO CORTÁZAR (2016), “AULAS DE LITERATURA – BERKELEY, 1980”, LISBOA, CAVALO DE FERRO

SAMUEL DIMAS

SAMUEL DIMAS é Professor Auxiliar da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa, Assessor Científico do Centro de Estudos de Filosofia e membro da Direção do Instituto de Filosofia Luso-Brasileira.

Ver os artigos deste autor.

A CONSCIÊNCIA DE SI E DA PRECARIEDADE EXISTENCIAL EM VERGÍLIO FERREIRA

Constança Marcondes Cesar

[Aparição representa a luta pelo equilíbrio, finalmente alcançado,  através da arte e do amor, pelo homem que é atravessado pela  contradição entre a consciência de si, como impulso para um ser mais,  e a consciência da morte. Luta pelo equilíbrio de quem não encontra  mais em nenhum outro absoluto – que não o da consciência de si –  nenhuma possibilidade de transcendência.]

Continue a ler A CONSCIÊNCIA DE SI E DA PRECARIEDADE EXISTENCIAL EM VERGÍLIO FERREIRA

A CORRELAÇÃO ENTRE TRANSCENDÊNCIA E IMANÊNCIA EM VERGÍLIO FERREIRA PELO RECURSO À LINGUAGEM DO PARADOXO E DO EXCESSO

Samuel Dimas

[O retorno do sagrado deve ter que ver fundamentalmente com a recuperação da sacralidade do homem, da vida, da palavra, do mundo. A sacralidade está no que suspeitamos de mistério nas coisas, a força original de tudo o que espera o nosso olhar limpo, a nossa atenção humilde, a divindade que está em nós (FERREIRA 2013: 229, §454).]

Continue a ler A CORRELAÇÃO ENTRE TRANSCENDÊNCIA E IMANÊNCIA EM VERGÍLIO FERREIRA PELO RECURSO À LINGUAGEM DO PARADOXO E DO EXCESSO

VERGÍLIO FERREIRA Y JOSÉ SARAMAGO: MIRADA MUTUA A TRAVÉS DE SUS DIARIOS Y UNAS CARTAS INÉDITAS

José Luis Gavilanes Laso

[De un lado, pues, ceñir al hombre a sus límites; por otro, el deseo de trascendencia hacia lo ilimitado. Esta paradoja responde a las dos características esenciales de la condición humana: muerte y deseo de inmortalidad. Es difícil definir al ser humano, pero creo que en esta dicotomía paradójica de Vergílio Ferreira puede estar la clave: el hombre es un ser limitadamente infinito. Los personajes de Vergílio Ferreira se imponen, pues, un desafío crucial: ver hasta qué punto pueden soportar una existencia sin trascendencia y cómo, despojados de un valor absoluto, pueden asumir su precariedad humana. ]

Continue a ler VERGÍLIO FERREIRA Y JOSÉ SARAMAGO: MIRADA MUTUA A TRAVÉS DE SUS DIARIOS Y UNAS CARTAS INÉDITAS

O PRIMEIRO SORRISO DO OCIDENTE

Hugo Monteiro

[O sorriso, o primeiro do Ocidente, surge-nos assim como o assomo de um Adeus que atravessa o tempo em saudação – gesto indistinto no excesso de um encontro que, em última análise, leva o próprio tempo atrás de si, revelando que “todos os séculos do passado se conglomeram ali, no instantâneo presente”]

Continue a ler O PRIMEIRO SORRISO DO OCIDENTE

AO ENCONTRO DE VERGÍLIO FERREIRA

Maria Luísa Malato

entrevista

Fernanda Irene Fonseca

fernanda-irene-fonsecaA Fernanda Irene Fonseca se devem alguns dos mais importantes estudos sobre a obra de Vergílio Ferreira, em parte reunidos na obra Vergílio Ferreira: a celebração da Palavra (1992). Foi a organizadora do Colóquio Interdisciplinar de Homenagem a Vergílio Ferreira (Porto, 1993) e das respetivas Actas (1995). Continuou, até hoje, a escrever regularmente artigos sobre Vergílio Ferreira que se encontram ainda, infelizmente, dispersos. Depois de 36 anos como Professora de Linguística na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, aposentou-se para se dedicar quase exclusivamente ao estudo do espólio de Vergílio Ferreira. Fez a edição critico-genética do manuscrito de um diário escrito pelo romancista entre 1944 e 1949, que foi a primeira obra do seu espólio a ser publicada. Co-editou também, em colaboração com Hélder Godinho, o romance Promessa, de 1947, o único romance completo que Vergílio Ferreira deixou inédito.

Continue a ler AO ENCONTRO DE VERGÍLIO FERREIRA

JORGE BASTOS DA SILVA

JORGE BASTOS DA SILVA é docente do Departamento de Estudos Anglo-Americanos da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, onde tem leccionado disciplinas das áreas da Literatura Inglesa, da Cultura Inglesa e dos Estudos sobre a Utopia. Tem realizado trabalhos naquelas áreas, assim como na área dos Estudos de Tradução e das relações culturais entre Portugal e o Reino Unido.
É autor de “O Véu do Templo – Contributo para uma topologia romântica” (1999) e de “Utopias de Cordel e Textos Afins – Uma antologia” (2004). Com Fátima Vieira, organizou os volumes “Desígnios Augustanos – Estudos sobre a Rainha Ana de Inglaterra e a sua época” (2003) e “George Orwell: Perspectivas Contemporâneas” (2005). Encontra-se a elaborar uma dissertação de doutoramento centrada na literatura inglesa da segunda metade do século XVII e do primeiro quartel do século XVIII.